"Não odeie a mídia, seja a mídia" - Jello Biafra

Bem-vindos à Panorama BR

Arte, Cultura, Economia, Esporte, Política, Religião... Os dias atuais em suas mais diferentes matizes pedem uma reflexão crítica, franca, honesta e aberta que este espaço não só se propõe como está disposto e irá fazê-la de maneira democrática, independente e livre. Além das análises dos assuntos mais relevantes, este blog está subdividido em outras partes para que o público leitor possa ser atendido naquilo em que mais gosta: Notícias, Envio de Mensagens em SMS, Enquete, Sites Sugeridos, Vídeos, Livros Sugeridos e, logo abaixo deste texto de apresentação, estarão nossos Editoriais. Suas opiniões são muito importantes para que sempre possamos nos aprimorar cada vez mais e atendê-los melhor. Você pode deixar seus comentários nos próprios posts ou então em nosso e-mail: panoramabr@gmail.com. Bem-vindos à Panorama BR, a mais nova revista digital brasileira de análises, arte, atualidades, cultura, informações e notícias da Internet. Que a nossa presença possa ser não só prolongada, mas, principalmente, útil.

Editorial

As eleições presidenciais nos EUA ainda estão na fase das primárias (com pré-candidatos disputando vagas em seus respectivos partidos), mas já estão ocorrendo disputas intensas para saber quem serão os representantes para disputar o cargo maior da ainda - apesar da crise financeira pela qual passou e ainda vem passando - nação mais poderosa do mundo. E, nesse processo, quem melhor para colocar mais lenha na fogueira do que o polêmico e genial cineasta Michael Moore? O diretor de Tiros em Columbine e Fahrenheit 11/9 declarou o seu apoio explícito ao candidato Socialista do Partido Democrata, Bernie Sanders, que disputa com sua colega de partido, a ex-primeira-dama Hilary Clinton, a vaga para a candidatura à presidência. É claro que Panorama BR não ia deixar passar essa, tanto que fizemos a matéria a respeito. Boa leitura e até a próxima!

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Michael Moore apoia o Socialista Bernie Sanders para presidente dos EUA

Michael Moore



O polêmico e genial documentarista, cineasta e ativista estadunidense Michael Moore, vencedor do Oscar de Melhor Documentário por Tiros em Columbine e da Palma de Ouro no Festival de Cannes por Fahrenheit 11/9, declarou oficialmente seu apoio ao pré-candidato à presidência dos EUA, Bernie Sanders, do Partido Democrata e tido como Socialista.
Em seu site oficial, Michael Moore diz que as elites – inclusive os outros pré-candidatos, o bilionário Donald Trump, do Partido Republicano; e a ex-primeira-dama dos EUA, Hilary Clinton, colega de Sanders no Partido Democrata – agem de forma baixa ao “acusar” o candidato de Socialista. E explica porque acha que Sanders pode ser eleito:
Quando eu era criança, eles disseram que não havia nenhuma maneira deste nosso país de maioria protestante eleger um católico como presidente. Em seguida, John Fitzgerald Kennedy foi eleito presidente.
(...)
Em 1980, eles disseram que os eleitores nunca escolheriam um presidente divorciado que casou novamente. O país tinha modos muito religiosos para isso, disseram. Bem-vindo, presidente Ronald Reagan, 1981-1989.
Eles diziam que você não poderia ser eleito presidente se não tivesse servido nas Forças Armadas. Ninguém conseguia se lembrar de alguém que não servira eleito Comandante-em-chefe. Ou quem tinha confessado fumar (mas não tragar!) drogas ilegais. Presidente Bill Clinton, 1993-2001.
E, por fim, “eles” disseram que não havia maneira de os democratas ganharem se um homem negro fosse o indicado para a Presidência – e um homem negro cujo nome do meio era Hussein! Os Estados Unidos da América seriam ainda muito racistas pra isso. “Não faça isso!”, pessoas se advertiam discretamente entre si.
BOOM!
Você já se perguntou por que os especialistas e a classe política sempre afirmam que o povo americano “simplesmente não está preparado” para alguma coisa – e eles estão sempre tão errados? Dizem o que dizem para proteger o status quo. Eles não querem distúrbios.
Tentam assustar as pessoas comuns para que elas votem contra o seu melhor julgamento.
Agora, neste ano, “eles” estão alegando que não há como um “socialista democrático” ser eleito presidente Estados Unidos. Essa é a principal afirmação que chega agora da campanha de Hillary Clinton.
Mas todas as pesquisas mostram Bernie Sanders realmente batendo Donald Trump por duas vezes mais votos do que se Hillary Clinton fosse a candidata”.
Michael Moore, um crítico feroz do Partido Republicano e de candidatos considerados de direita (o que inclui Hilary Clinton, tida como à direita do atual presidente estadunidense, Barack Obama), justifica seu apoio a Bernie Sanders:
“Eu apoiei pela primeira vez Bernie Sanders a um cargo público em 1990, quando ele, como prefeito de Burlington, me pediu para ir até um comício na sua corrida eleitoral para se tornar congressista de Vermont. Eu acho que muitos não estavam dispostos a discursar por um declarado socialista democrático naquele momento.
Provavelmente alguém de seu escritório de campanha cheio de hippies disse: “Eu aposto que Michael Moore vai topar”. Eles estavam certos. Fiz o meu melhor para explicar por que precisávamos Bernie Sanders no Congresso dos EUA. Ele ganhou e eu tenho sido um defensor seu desde então – e ele nunca me deu razão para não continuar com esse apoio. Sinceramente, pensei que nunca escreveria começando com as palavras: “Por favor, vote no senador Bernie Sanders para ser o nosso próximo Presidente dos Estados Unidos da América”.
Eu não pediria isso para vocês se não achasse que nós real e verdadeiramente precisamos dele. E nós precisamos. Talvez mais do que imaginamos”.
O mais recente filme de Michael Moore chama-se Where to Invade Next (Onde é a Próxima Invasão, em tradução livre), foi lançado em 2015 e fala sobre as invasões militares estadunidenses em outros países.
As eleições presidenciais dos EUA estão marcadas para o dia 8 de novembro de 2016.
Veja o trailer oficial de Where to Invade Next (original em inglês):

Publicado no LinkedIn.





sábado, 5 de dezembro de 2015

O Legado de Marília Pêra



Morreu hoje, em sua casa no Rio de Janeiro, às 5 horas da manhã, a atriz, cantora, diretora, bailarina e coreógrafa, Marília Pera, aos 72 anos de idade. Até o momento em que este texto foi escrito não se sabia a causa exata da morte: a família da atriz disse que foi devido a um desgaste ósseo, mas colunistas de televisão tais como Hildegard Angel e Fernando Oliveira afirmam que foi um câncer no pulmão em estágio avançado.
Marília Marzullo Pêra nasceu em 22 de janeiro de 1943, no Rio de Janeiro. Seus pais, Manuel Pêra e Dinorah Marzullo também eram atores e foi com eles que a pequena Marília fez sua estreia nos palcos aos quatro anos de idade. Atuou como bailarina dos 14 até os 21 anos em musicais e teatro de revista como, por exemplo, Minha Querida Lady (1962), estrelado por Bibi Ferreira e A Pequena Notável (1966), peça dirigida pelo ator Ary Fontoura na qual Marília interpretava Cármen Miranda.
Em 1964, venceu a cantora Elis Regina na disputa pelo papel principal da peça Como Vencer na Vida Sem Fazer Força
Sua estreia na televisão foi em 1965 nas novelas A Rainha do Sobrado e A Moreninha.
Em 1968, foi presa pela ditadura militar que tiraniza o Brasil enquanto atuava na peça Roda Viva, de Chico Buarque, e foi obrigada pelos agentes da repressão a correr nua em um corredor polonês. Tida como uma comunista pela ditadura, foi presa novamente quando policiais invadiram sua casa assustando a todos, inclusive a seu filho de sete anos, que dormia.
Em 1969, teve um grande sucesso com a peça Fala Baixo, Senão Eu Grito, da dramaturga Leilah Assumpção, que lhe valeu o prêmio de Melhor Atriz da Associação Paulista dos Críticos Teatrais (atual Associação Paulista dos Críticos de Arte - APCA).
Sua estreia no cinema foi em 1968, no filme O Homem Que Comprou o Mundo, do diretor Eduardo Coutinho (de Cabra Marcado Para Morrer). A consagração internacional veio em 1980, com o filme Pixote, a Lei do Mais Fraco, do diretor Hector Babenco (de O Beijo da Mulher-Aranha). Marília interpretou a prostituta Sueli, papel que lhe valeu, nos EUA, os prêmios de Melhor Atriz do Boston Society of Film Critics, National Society of Film Critics, além do segundo lugar como Melhor Atriz Coadjuvante no New York Film Critics Circle.
Em 1983, conquistou o prêmio de Melhor Atriz com o filme Bar Esperança, dirigido por Hugo Carvana (de Vai Trabalhar, Vagabundo) no Festival de Gramado. Por esse mesmo trabalho, ganhou o prêmio de Melhor Atriz da APCA, em 1984.
Em 1991, conquistou o prêmio de Melhor Atriz no Festival de Cartagena (Colômbia) pelo filme Dias Melhores Virão, dirigido por Cacá Diegues (Bye, Bye Brasil).
Seu último trabalho no cinema foi em 2008, com Polaróides Urbanas, de Miguel Falabella (A Dama do Cine Shangai), que lhe deu o Prêmio de Melhor Atriz no Festival de Cinema Brasileiro de Miami.
Seu último trabalho na TV foi o seriado Pé na Cova, no papel de Darlene. Marília trabalhava na série desde 2013, até afastar-se neste ano para cuidar da saúde.
A dramaturgia brasileira está agora com um vazio impossível de se preencher. Que ela descanse em paz. 


Veja aqui um vídeo de Marília Pêra interpretando a canção 120... 150... 200 Km por Hora, de Roberto Carlos:


Publicado no Observatório do Cinema e no LinkedIn

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Star Wars pode tirar Disney do buraco


A Disney é considerada a maior companhia de entretenimento do mundo – que inclui os seus famosos estúdios cinematográficos - tendo, nestes últimos anos, adquiridos outras grandes companhias do ramo tais como os estúdios de animação Pixar e a editora de HQs Marvel. Com um arsenal desses, imagina-se, a companhia fundada pelo finado animador, cineasta e produtor Walt Disney não tem que fazer nada além de sorrir esperando o dinheiro chegar.
Entretanto, como é sabido, o mundo das finanças costuma pregar peças. No último dia 4 de agosto, a Disney publicou o seu balanço trimestral. Embora tenha apresentado lucro, puxados principalmente pelos seus últimos sucessos no cinema, este ficou abaixo do que era esperado, o que fez com que as ações da companhia na bolsa de valores de Wall Street sofressem uma forte queda de 9%. Foi o bastante para soar o alarme.
Porém, é justamente uma outra companhia adquirida pela Disney, em 2012, que pode tirar os habitantes de Disneyworld e Disneylândia desta situação de fio da navalha na qual se encontra atualmente: trata-se da Lucasfilms, a companhia cinematográfica fundada pelo cineasta George Lucas, que nada mais é que o criador da saga Star Wars que, após um hiato de 10 anos, retornará no próximo dia 18 de dezembro com o próximo e aguardadíssimo filme da franquia, Star Wars: O Despertar da Força.  
O analista financeiro da companhia de investimento estadunidense Stifel Nicolaus, Benjamin E. Mogil, crê que o filme dê um lucro de U$ 2 bilhões em todo o mundo. Outro analista, Paul Dergarabedian, da agência Rentrak diz que “Há um pequeno filme chamado Star Wars: O Despertar da Força, vindo em dezembro e que deve quebrar recordes como nunca se viu antes”.  Para ele, o novo filme da saga irá ajudar nos números da Disney, especialmente na época de seu lançamento, dezembro, época de férias e de festas de final de ano.
O analista afirma que “Com certeza o filme irá quebrar o recorde de maior abertura em um fim-de-semana de dezembro. Nós nunca vimos um filme abrir com mais de U$ 100 milhões de bilheteria em dezembro, e isso vai acontecer com Star Wars”.
E acrescenta, com uma dose de delírio:
Star Wars vai dar frutos para os próximos 10, 20 e até mesmo 100 anos. Este é um plano de 100 anos para a Disney, com todas estas várias propriedades. Em seguida, essas mesmas propriedades vão para a tela pequena, então há a venda de produtos associados a Star Wars”.
A Força é mesmo uma aliada poderosa. Mestre Yoda e Mickey Mouse que o digam...

Veja aqui o trailer oficial de Star Wars: O Despertar da Força (legendado em português):




segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Panorama no Cinema| O Exterminado do Futuro: Gênesis

Poster do filme O Exterminador do Futuro: Gênesis

Este é o quinto filme da franquia O Exterminador do Futuro, iniciada em 1984, e que pretende ser o início de uma nova, com mais dois filmes planejados para 2017 e 2018. Sendo esta a intenção, então, pode-se dizer que as coisas começaram da maneira imaginada.
O filme começa com uma premissa conhecida: no ano de 2029, a guerra entre humanos e máquinas chega a seu momento decisivo. Porém, o supercomputador Skynet tenta uma última cartada e, por meio de uma máquina do tempo, envia um exterminador modelo T-800 para o ano de 1984 para matar Sarah Connor (a inglesa Emilia Clarke, da série de TV Game of Thrones), a mãe do líder da resistência humana, John Connor (o australiano Jason Clarke, de Planeta dos Macacos: O Confronto). Para proteger e salvar sua mãe e também a si mesmo – pois se ela morrer, ele não nascerá – John envia o sargento Kyle Reese (o também australiano Jai Courtney, de Divergente), que, na verdade, é seu pai, para a mesma época. Até aqui, o filme bate com o original, parecendo uma homenagem ao próprio, mas, é exatamente a partir daí que as coisas começam a ficarem tortas...
Ao invés de encontrar-se com uma Sarah Connor indefesa diante de um ciborgue assassino, encontra uma guerreira armada até os dentes em companhia justamente de um ciborgue (Arnold Schwarzenegger, retornando ao papel que não fazia desde O Exterminador do Futuro 3: A Rebelião das Máquinas, de 2003) chamado de “O Guardião”, mas que Sarah chama de “Pops” (traduzido na versão legendada como “Papi”!). E a surpresa não para aí: quase ao mesmo tempo também aparece um exterminador modelo T-1000 (o sul-coreano Lee Byung-hun, de G.I Joe: A Origem de Cobra) com a missão de exterminar a todos. Um passado bem diferente ao que John Connor havia contado e que faz com que Kyle – assim como toda a plateia – fique completamente confuso.
E para aumentar a confusão, Sarah conta a Kyle que um exterminador foi enviado ao ano de 1973 para protegê-la depois da morte de seus pais e tem planos de viajar para o ano de 1997, em uma máquina do tempo construída por “Pops”, para destruir a companhia Cyberdine, que criou Skynet. Porém, Kyle diz a Sarah para, ao invés disso, irem a 2017, pois, durante sua viagem no tempo teve uma visão dele mesmo quando criança falando de um sistema chama Gênesis, que vai fazer com que Skynet controle todo o planeta. Eles vão para 2017 e lá encontram o seu filho John que trabalha em sua própria máquina do tempo na Cyberdine e que foi transformado em um exterminador, chamado de T-3000, por Skynet (o esquisito Matt Smith, da série de TV Doctor Who).
Deu pra entender até aqui? Talvez com alguma dificuldade. Esse é o principal problema em O Exterminador do Futuro: Genesis, o excesso de novas informações que confundem a história a ponto de os personagens terem que ficarem explicando o tempo todo sobre viagens no tempo, realidade alternativa, etc. Essas novas informações não só bagunçaram como distorceram o roteiro e ideia originais criados pelo diretor e roteirista James Cameron (Titanic) e pela roteirista e produtora Gale Anne Hurd (The Walking Dead).
Essa bagunça toda fez com que Schwarzenegger, que supostamente deveria ser o astro do filme, se tornasse um coadjuvante. Um coadjuvante de luxo, é verdade, mas seu papel no filme acabou por tornar-se secundário. Um talento que foi desperdiçado foi o de J. K. Simmons (vencedor do Oscar de Melhor Ator Coadjuvante por Whiplash – Em Busca da Perfeição). Simmons faz o papel do detetive O’Brien, um policial alcoólatra que testemunhou a chegada dos viajantes do futuro. Mas, seu personagem foi mal elaborado e, apesar de toda a competência do ator, poderia muito bem ser dispensado, pois não acrescenta nem faz falta em nada na história. Transformar John Connor em vilão após quatro filmes no qual era tido como líder e salvador da humanidade foi uma péssima ideia.
Embora não esteja mal no filme, Jai Courtney não é o ator certo para o papel de Kyle Reese, pois ele em nada lembra o personagem vivido originalmente por Michael Biehn (de Aliens, o Resgate). E é com Kyle Reese que vem um dos furos do roteiro: no primeiro filme, a foto que Kyle tinha de Sarah é destruída durante um ataque de um exterminador, mas ela milagrosamente reaparece um pouco antes de sua viagem no tempo. Poderiam ter exterminado essa mancada...
Apesar de toda essa “zona”, o filme tem suas qualidades. Os bons efeitos especiais, que vão desde o uso de dublê de corpo para o primeiro exterminador de Schwarzenegger até a tecnologia digital; a direção correta de Alan Taylor (embora não tão boa como em seu filme anterior, Thor: O Mundo Sombrio); o humor com “Pops” tentando parecer mais humano (o riso forçado dado por Schwarzenegger é hilário); o uso das frases-clichês tais como “Venha comigo se quiser viver”, “I’ll be back”. Só faltou o “Hasta la vista, baby”. Boas cenas de ação e, principalmente, a atuação de Emilia Clarke. Além de ter uma ligeira semelhança física com Linda Hamilton, a Sarah Connor original, ela convence como a guerrilheira anti-máquinas de forte personalidade. Também é digna de nota a crítica que o filme faz à dependência que as pessoas têm da tecnologia atual com uso obsessivo de computadores, celulares, tablets, entre outros equipamentos.
O filme, em si, não é ruim, mas também não é melhor do que as dezenas de filmes de aventuras que Hollywood lança todos os anos nas salas de exibições ao redor do mundo. Pode ser visto como uma boa diversão no fim-de-semana, mas assistir uma segunda vez vai ser chato. Se os produtores vão mesmo continuar com a franquia, é melhor acionar a máquina do tempo de “Pops” e trazer James Cameron de volta para dar um “upgrade” nessa mesma franquia que teve uma queda de qualidade notória desde que o diretor de Avatar afastou-se para dedicar-se a outros projetos.
E, com todas essa idas e vindas pelo tempo, felizmente os roteiristas não se lembraram de trazer de volta a ciborgue T-X, pois, se o fizessem, imaginem como ficaria a história...

Veja o trailer oficial de O Exterminador do Futuro: Gênesis (legendado em português):

sábado, 8 de agosto de 2015

Panorama no Cinema: O Ciclo da Vida

Poster do filme O Ciclo da Vida

Se há uma coisa que é mesma nos países desenvolvidos, subdesenvolvidos e os chamados “emergentes”, é o modo como tratam as pessoas idosas. Na melhor das hipóteses, os idosos são tratados como crianças grandes, porém, infelizmente, na maior parte das vezes, são tidos como trastes ou algo inútil, a quem a sociedade não sabe o que fazer visto que, do seu ponto de vista, perderam sua capacidade de trabalho e produção (um pensamento bem comum nesta era de neoliberalismo, austeridade financeira, ajuste fiscal e desemprego), enquanto as famílias não querem ter o trabalho de cuidar de alguém que pode prendê-los em casa e tomam a decisão mais conveniente para esse problema: enviá-los para um asilo ou casa de repouso.
O cinema da China, que mostrou ao ocidente grandes filmes tais como Lanternas Vermelhas (1991), Adeus, Minha Comcubina (1993), Nenhum a Menos (1999) e O Tigre e o Dragão (2000, que, sob a direção de Ang Lee, transformou um filme de Kung-Fu, tido como um subgênero do cinema, em uma obra de arte), vem com um filme que trata justamente do tema da Melhor Idade e que é uma joia cinematográfica do Império do Centro: O Ciclo da Vida (Fei yue lao ren yuan), dirigido por Zhang Yang (Flores do Amanhã), de 2012, vencedor do prêmio Menção Especial do Festival Internacional de Cinema de Tóquio e que, somente neste ano, chega aos cinemas do Brasil.
O filme conta a história de Ge (o ator Xu Huanshan), chamado pelas pessoas – inclusive seus amigos e familiares - de Velho Ge, um motorista de ônibus aposentado. Após a morte de sua segunda esposa, deixa a casa onde viveu com ela por 20 anos, mas recebe uma herança em dinheiro e decide dá-la de presente ao seu neto (Chen Kun), que casa-se nesse mesmo dia. Porém, o seu filho (Han Tongsheng) o proíbe de presentear o neto devido a uma rusga do passado.
Sem ter para onde ir, Velho Ge dirige-se a uma casa de repouso onde vive seu amigo e antigo colega de profissão, Velho Zhou (Wu Tian-Ming). A vida na casa de repouso é monótona e vazia. Velho Zhou conta a Velho Ge que ele e os outros moradores da casa estão ensaiando um número para apresentarem em um programa de TV. A enfermeira-chefe (Yan Bingyan) e as famílias dos idosos se opõem a isso, pois acham que eles não têm condições para realizar uma apresentação. Porém, apesar dessa oposição, de sua idade avançada e dos problemas de saúde, os idosos estão dispostos a realizar esse número e viajam pela China para participar do programa.
Para o público brasileiro, é curioso que os idosos no filme sejam chamados de “velho”, pois aqui, para muitas pessoas, se chamarmos nossos idosos assim, podem sentir-se rebaixados e até humilhados. Porém, pelo que o filme demonstra, eles tem perfeita consciência de seu estado, de modo que não se sentem magoados ou ofendidos ao serem chamados dessa maneira.
O roteiro de Zhang Yang, Huo Xin e Chong Zhang é baseado em uma história original do também diretor e roteirista Liu Fendou (Chapéu Verde) e mostra, com muita sensibilidade, a triste realidade de pessoas da Melhor Idade que vivem em asilos e/ou casas de repouso. Mas, apesar dessa vida melancólica, ainda há espaço para a solidariedade, o amor fraternal e o humor, mostrados de forma muito equilibrada e poética.
Com a direção firme de Yang somada à performance excepcional dos veteranos atores, é impossível não se encantar, comover e rir em cenas que vão desde o choro de Velho Ge até a dança dos idosos ao som da música Y.M.C.A., da banda Disco Village People, cujos versos iniciais dizem: “Young man, there’s no need to feel down / I said, young man, pick yourself off the ground” (“Jovem, não há necessidade de sentir-se por baixo / Eu disse, jovem, levante-se do chão”, em tradução livre). E não há como não dizer “ahh...” quando a enfermeira-chefe desliga o rádio...
O que parecia ser um filme que se passa entre as paredes da casa de repouso, transforma-se em um Road Movie. Dito assim, pode surpreender e até chocar, mesmo porque, quando fala-se neste tipo de filme, logo vem à mente filmes da franquia Velozes & Furiosos, com seus carros modernos e potentes e jovens dirigindo e pisando fundo no acelerador.
Porém, a história do cinema demonstra que Melhor Idade e pé na estrada são algo que combinam muito bem e podem ser visto em filmes como Harry, o Amigo de Tonto (1974), estrelado pelo maravilhoso Art Carney, vencedor do Oscar de Melhor Ator por este trabalho; o filme francês Mamute (2010), com Gérard Depardieu; e o pouco visto, mas excelente, Nebraska (2013), que deu a Bruce Dern o prêmio de Melhor Ator no Festival de Cannes. Portanto, não venham com essa que velhinhos não podem viajar na rodovia!
Ao invés de um carrão, nossos heróis viajam em um velho ônibus enferrujado. E, durante a viagem, encontram desde valentões – que não hesitam em encarar – até uma tribo mongol e também uma manada de cavalos correndo livremente pelas belas paisagens do interior da China. Aqui, destaca-se a excepcional fotografia de Tao Yang. E não poderíamos deixar de falar da delicada e ótima trilha sonora de Bao San, que consegue mostrar todas as emoções do filme, do choro ao riso.
Obviamente que não contarei o final para não estragar a surpresa (entretanto, adianto que é de levar lágrimas aos olhos), mas, tal como no documentário norueguês As Otimistas, O Ciclo da Vida prova que nunca é tarde para perseguir os seus sonhos, independente de sua idade.

É de se lamentar que um filme tão excelente, encantador, comovente, lindo, uma verdadeira pérola, tenha demorado tanto tempo para ser exibido aqui, mas a espera valeu a pena!

Veja o trailer oficial de O Ciclo da Vida (legendado em português);


sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Panorama no Cinema: Samba

Cartaz do filme Samba

Os diretores Eric Toledano e Olivier Nakache e o ator Omar Sy, retomam a parceria que os fez serem bem sucedidos no filme Intocáveis, de 2011, que foi o filme de maior bilheteria na França nesse ano e deu a Omar Sy o prêmio César (versão francesa do Oscar) de melhor ator, sendo o primeiro negro a conquistar esse prêmio. O filme tinha como premissa básica o relacionamento de um pobre imigrante africano negro e atlético e um milionário francês branco e tetraplégico no estilo “os opostos se atraem”. Samba – que, na pronúncia francesa, fica “Sambá” - também usa essa lei da Física em sua história.
Baseado no livro “Samba pour la France”, de Delphine Coulin, o filme conta a história do imigrante de Senegal (no livro, ele é de Mali) Samba Cissé (Omar Sy), que vive há 10 anos na França na casa de seu tio e ganha a vida em um restaurante, lavando pratos, mas, devido a problemas com a imigração, é preso. Uma ONG especializada em ajudar imigrantes em situação irregular assume seu caso e envia duas mulheres para cuidar de Samba: Manu (interpretada pela cantora de Rock Izïa Higelin) e Alice (Charlotte Gainsbourg, de Ninfomaníaca), uma executiva que sofreu um “burnout” devido ao ritmo excessivo de trabalho que a levou a um colapso.
O “burnout” é também chamado de “síndrome do esgotamento profissional”. Segundo o Dr. Drauzio Varella, a principal característica dessa síndrome é o estado de tensão emocional e estresse crônicos provocado por condições de trabalho físicas, emocionais e psicológicas desgastantes. A síndrome manifesta-se especialmente em pessoas cuja profissão exige envolvimento interpessoal direto e intenso.
Licenciada do serviço, Alice trabalha na ONG como parte de seu tratamento e recuperação. Manu aconselha Alice a ter um relacionamento distante de Samba, mas, pouco a pouco eles, cujas vidas têm poucas perspectivas, aproximam-se e relacionam-se.
A diferença entre Intocáveis e Samba começa na forma como o tema de cada filme é tratado: no primeiro, o tema da deficiência física, embora considerado “pesado”, é tratado de forma descontraída, sem grande drama e sem ser piegas, com humor, que faz com que a atenção do grande público seja atraída e se sinta próximo dos personagens.
Já em Samba, o tema dos imigrantes irregulares é tratado de forma mais séria, embora sem abdicar do humor, que é visto em várias cenas e também o aproxima do público. A vida desses imigrantes, com suas constantes preocupações em arrumar emprego, enviar dinheiro para suas famílias, regularizarem sua situação na França para não serem deportados e terem que voltar a uma situação de extrema miséria e/ou de guerra civil, é vista igualmente sem apelar para o dramalhão e a pieguice, de forma sóbria, mas sem ser tediosa. 
O ponto forte da dupla Toledano-Nakache é a direção de atores. Omar Sy mostra que não foi à toa que conquistou o César. Sua atuação é, ao mesmo tempo, discreta, emotiva e moderna, o que faz com que seja um dos melhores atores franceses da atualidade, a ponto de Hollywood abrir-lhe as portas, como já pôde ser visto em produções com em X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido e Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros.
Charlotte Gainsbourg está no mesmo nível de Sy. Também vencedora do César e do prêmio de melhor atriz no Festival de Cannes por Anticristo (2009), sua atuação é esplendorosa. É simplesmente impressionante como ela consegue fazer com que Alice, durante suas crises emocionais, passe de um estado tímido e inseguro para um raivoso e agressivo em questão de segundos. Hoje em dia, poucas atrizes conseguem atuar assim com tamanha competência.
São também dignas de nota as atuações de Izïa Higelin e Tahar Rahim. Vencedora do César de Atriz Mais Promissora, em 2012, Izïa é mesmo uma grata revelação (Samba é seu segundo filme). Já o simpático Rahim, que faz o “brasileiro” Wilson, tem algumas das melhores tiradas de humor do filme e, algumas vezes, chega a roubar as cenas dos protagonistas principais.
Pegando um “gancho” do parágrafo anterior, não poderia deixar de falar das menções honrosas ao Brasil: além do já citado “brasileiro” Wilson, também há canções de Gilberto Gil e Jorge Benjor e Rahim e Gainsbourg surpreendem falando português de forma correta – embora com sotaque.
A escolha do elenco não foi por acaso, pois vários atores e atrizes do filme têm ligações com imigrantes. O pai de Omar Sy é do Senegal e a mãe da Mauritânia. Charlotte Gainsbourg é de ascendência anglo-francesa: seu pai é o prestigioso cantor francês Serge Gainsbourg e a mãe é a atriz inglesa Jane Birkin. Os pais de Tahar Rahim são da Argélia. Já o ator Isaka Sawadogo, que faz o papel de Jonas, e a atriz Liya Kebede, que faz o papel de Gracieuse, são mesmo imigrantes vindos, respectivamente, de Burkina Faso (antiga República do Alto Volta) e Etiópia. Um filme sobre imigrantes feitos pelos próprios e por seus descendentes.
O filme mostra que países europeus como a França ainda tem uma relação mal resolvida com suas antigas colônias na África, Ásia e América. Isso se reflete no tratamento dado aos imigrantes: vistos com desconfiança (a velha história que “um estrangeiro é sempre suspeito”), tendo que submeterem-se a sub-empregos – muitos deles perigosos e insalubres – e concentrando-se em guetos ou nos campos de detenção. A xenofobia (ódio aos estrangeiros) é um problema que tem ocorrido na Europa nestes últimos anos com a ascensão de partidos conservadores e reacionários como, por exemplo, a Frente Nacional, do infame político francês de extrema-direita Jean-Marie Le Pen e de sua filha e herdeira, a igualmente infame Marine.

 Samba pode não ter o mesmo impacto e sucesso que Intocáveis, mas é daqueles filmes que melhoram com o passar dos anos. Em uma época na qual a Europa – e, em particular, a França – sofre com a crise financeira que teima em não terminar, com medidas de austeridade que aumentam o desemprego e cortam benefícios sociais e trabalhistas, políticas neoliberais que exigem que as pessoas trabalhem o máximo ganhando o mínimo e acabam por gerar muitos casos de “burnouts”, com a União Europeia querendo restringir a sua política de imigração tanto para imigrantes legais como ilegais e o aumento da xenofobia, o filme é, simultaneamente, um registro de seu tempo e também um alerta. 

Veja o trailer oficial de Samba (legendado em português):

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Panorama no Cinema: Sentimentos Que Curam

Cartaz do filme

De algum tempo para cá, doenças emocionais em nossa sociedade vem aumentando cada vez mais, principalmente devido à vida estressante dos dias de hoje. Até alguns anos trás, esses tipos de doenças eram vistas como fraquezas, defeitos de caráter e até “frescuras”. Porém, após o suicídio do ator Robin Williams (vencedor do Oscar de Melhor Ator Coadjuvante por Gênio Indomável, em 1997) devido à depressão, em 2014, doenças emocionais passaram a serem vistas não só como enfermidades, mas também como algo que pode matar.
Uma das doenças emocionais mais conhecidas é o transtorno bipolar, também chamado de maníaco-depressivo. Segundo o Dr. Drauzio Varella, o transtorno bipolar é um distúrbio psiquiátrico complexo. Sua característica mais marcante é a alternância, às vezes repentina, de episódios de depressão com os de euforia. As crises podem variar de intensidade (leve, moderada e grave), frequência e duração. As flutuações de humor têm reflexos negativos sobre o comportamento e atitudes dos pacientes, e a reação que provocam é sempre desproporcional aos fatos que serviram de gatilho ou, até mesmo, independem deles. Ainda não há cura para essa doença, mas, assim como a diabetes, pode ser controlada. Com medicação e tratamento adequado (psicoterapia, alimentação, exercícios, etc.), a pessoa que sofre desse transtorno pode levar uma vida praticamente normal.
Hollywood tem tradição em filmes que tratam sobre doenças emocionais e/ou mentais. Podemos citar como exemplo Um Estranho no Ninho (1975, vencedor de cinco Oscars, inclusive melhor filme) e Rain Man (1988, vencedor de quatro Oscars, também incluindo o de melhor filme). Sentimentos Que Curam segue essa tradição hollywoodiana.
O filme conta a história da família Stuart, que se passa entre os finais das décadas de 1960 e 1970, na cidade de Boston (EUA). Cameron, chamado por todos de “Cam”, (Mark Ruffalo, da franquia Os Vingadores) foi diagnosticado com transtorno bipolar, mas isso não o impediu de casar-se com Maggie (Zoe Saldana, da franquia Star Trek) e de terem duas filhas: Amelia (a estreante Imogene Wolodarsky) e a caçula Faith (a também estreante Ashley Aufderheide). Porém, à medida que o tempo passa, a doença de Cam piora, sua família o abandona e ele acaba por ter um colapso que o leva para uma internação em uma instituição psiquiátrica.
Maggie e as crianças o visitam frequentemente, mas a situação financeira da família não está boa. Após receber alta, Cam tenta reconciliar-se com sua esposa e filhas. Um dia, Maggie propõe a Cam tomar conta das crianças enquanto ela vai à Nova York fazer um Mestrado, arranjar um trabalho melhor e resolver os problemas financeiros da família. Cam concorda, pois vê essa proposta como algo que não só pode ajudá-lo em sua recuperação como também uma chance para a reconciliação familiar que tanto deseja.
Sentimentos Que Curam marca a estreia na direção da roteirista Maya Forbes (Monstros vs Alienígenas), que também fez o roteiro do filme baseado em sua experiência pessoal (seu pai também sofre de transtorno bipolar). Forbes mostra uma direção segura - embora por vezes acadêmica – tanto nas cenas dramáticas quanto humorísticas. Forbes decidiu dar um tratamento mais “light” para falar de um tema tão “pesado”. Ao invés de um dramalhão no estilo “vejam-como-eu-sofri-com-a-minha-doença”, ela optou pelo humor seguindo a linha do filme francês Intocáveis (2011, que conta a história de um tetraplégico). Acabou por ser uma boa escolha, pois atenua um tema tenso e faz o público aproximar-se mais do filme.
A reprodução de época, tanto em vestuários como em costumes, é precisa. A década de 1970 foi uma época de “pisada no freio” após a loucura da década de 1960 com o seu sex, drugs & rock and roll, mas continuou o caminho de liberalização de costumes como mostra o próprio casamento de Cam e Maggie, inter-racial e com filhas mestiças, algo ainda raro naquele tempo. O fato de um homem ser “dono-de-casa” e cuidar para que as crianças vão à escola, comam bem e façam amigos era também algo difícil de ser visto e tido como admirável – principalmente pelas mulheres - como bem mostra uma cena do filme.
O ponto forte do filme é o seu elenco. Mark Ruffalo sabe o que é padecer de uma doença, pois tinha um tumor cerebral, que foi retirado em 2002. Embora o tumor tenha revelado-se benigno, ficou algum tempo com o lado esquerdo do rosto paralisado. O episódio o fez refletir muito sobre a vida e a morte e essa experiência particular faz com que tenha uma atuação espetacular. O espectador ri muito com as “pirações” de Cam, se comove com seu amor por Maggie e as crianças, mas também fica bastante impressionado ao vê-lo “surtar”. E isso sem apelar para clichês ou demagogia, apenas usando seu grande talento.
Gostaria de fazer um parêntese para dizer que Mark Ruffalo é um cara legal. Além de ator vencedor do prêmio Emmy (o Oscar da TV) e duas vezes indicado ao Oscar de Melhor Ator Coadjuvante (em 2011 e 2015), ele é um ativista dedicado às causas nobres: posicionou-se contra a administração de George W. Bush, apoia a causa palestina, defende movimentos ecológicos e, nas eleições presidenciais brasileiras de 2014, apoiou a candidata Marina Silva. Mas, quando esta voltou atrás na sua posição inicial de defesa do casamento gay e dos direitos reprodutivos da mulher pressionada por lideranças evangélicas como o “pastor” Silas Malafaia, retirou o apoio. E o fez de uma forma elegante.
Zoe Saldana corria o risco de ser a chata do filme, que só ficaria implicando com Cam. Porém, surpreendendo a todos, principalmente aqueles que a vem somente como uma mulher de rostinho bonito e corpo “sarado”, ela sai pela tangente e tem uma atuação forte e sensível como a mãe que tem que segurar todas as barras em prol de sua família. Mas, assim como Ruffalo, ela não usa de clichês ou demagogia e prova que é uma atriz que ainda tem muitas coisas boas para mostrar.
Entretanto, os pais não seriam os pais sem suas filhas. Imogene Wolodarsky e Ashley Aufderheide dão um show à parte. Nem parece que elas estão fazendo um filme pela primeira vez tamanha a naturalidade com que atuam. Imogene é filha de Maya Forbes e, segundo a mãe, o parentesco entre elas facilitou o trabalho: “Eu podia fazê-la chorar sem me preocupar em causar danos a ela”. E, tampouco teve dificuldades com Ashley, que teve a melhor tirada do filme ao dizer que o pai é “infinitamente urso polar” (traduzido de “infinity polar bear”, nome do filme em inglês) ao invés de “infinitamente bipolar”.
O ponto fraco do filme é a presença dos pais de Cam, vividos por Keir Dullea (2001, Uma Odisséia no Espaço) e Beth Dixon (da mini-série de televisão A Tempestade do Século), que não tem muito o que fazer na trama e nem precisavam aparecer.
Uma coisa que não pode deixar de ser dita: o título brasileiro do filme é simplesmente horroroso. É um hábito no Brasil dar aos filmes estrangeiros títulos que não tem nada a ver. Como já vimos, o título original é totalmente diferente e, como também já vimos, o transtorno bipolar é incurável, de modo que, neste caso, não há sentimentos que possam curar esse mal. Já em Portugal, o título é Amor Polar! Também deixa muito a desejar, mas, pelo menos está mais próximo do original. Quem sabe, um dia, tanto brasileiros quanto portugueses acertem...
Sentimentos Que Curam foi lançado no Festival de Sundance, em 2014 (o lançamento em circuito comercial é neste ano), recebeu boas críticas e foi indicado ao Prêmio Especial do Júri. Assim como o filme Samba, este é daqueles filmes que, se agora já são bons, com o passar do tempo vão melhorar. E quem for às salas de exibição não vai se arrepender de assistir, pois vai se divertir e perceber que um doente emocional não é um fraco, um “fresco” ou alguém cheio de defeitos de caráter, é apenas um ser humano como todos nós. E quem garante que os ditos “normais” não são mais doentes que ele?

Veja o trailer oficial de Sentimentos Que Curam (legendado em português):